. Fazer logo ou esperar o melhor momento? | Instituto Marcos Tito
  • Fortaleza: (85) 3108 8001

Fazer logo ou esperar o melhor momento?

Se capacitar mais ou se lançar de cara ao projeto desejado? Contratar um novo gestor para a equipe ou capacitar talentos que possam assumir a posição? Mudar a estratégia da sua empresa ou esperar para ver se o que você está prevendo realmente acabe se concretizando? Criar todo o seu material de divulgação ou começar a buscar seus clientes enquanto as coisas vão ficando prontas? São muitas dúvidas, mas que são bastante comuns.

Alguns gestores são mais conservadores e obviamente esperam, enquanto outras pessoas são mais impulsivas e se jogam no que intuitivamente acreditam ser o correto. Mas a verdade é que tudo precisa ser observado a partir do “Dead Line” que você tem para esperar antes de agir. A necessidade é a mãe da criação e da atitude. É muito importante poder jogar com todos os benefícios que se tem, e o tempo é uma valiosíssima variável. Saber o correto tempo de resposta nas ações pode ser um diferencial altamente estratégico e competitivo nas escolhas que fazemos. Estruturar uma ótima ideia ou ajustar algo que está sendo encaminhado é sempre muito importante, e ter o timing adequado significa ser estratégico. Portanto, aproveitar o tempo e usá-lo a seu favor é extremamente inteligente.

Certa vez, em uma sessão de Coaching, um cliente me perguntou o que eu achava sobre ele contratar imediatamente uma pessoa para um cargo de gestão que havia sido desocupado na sua empresa. A questão é que esse empresário havia dado a esperança a alguns dos colaboradores, dizendo que eles poderiam assumir aquele cargo se atingissem performances compatíveis. Como o Coach não dá a resposta pronta, perguntei: “Você tem o tempo necessário até que essa pessoa se desenvolva e chegue ao nível que você quer para o cargo?”. Essa pergunta foi suficiente para ele tomar a decisão.

Eu, particularmente, sou apaixonado por processos, análises, projeções, dados e imersão em informações importantes para ajudar nas tomadas de decisões. Me considero relativamente conservador, mas também tenho visão a longo prazo. Quando percebo possíveis crises ou oportunidades vindo, procuro agir rapidamente, aproveitando da melhor forma o tempo que tenho, e usando-o ao meu favor.