. Guia completo de planejamento financeiro | Marcos Tito
  • Fortaleza: (85) 3108 8001

Guia completo de planejamento financeiro

A consciência em relação ao dinheiro é essencial para o desenvolvimento de todos os âmbitos da vida. Ela proporciona clareza em relação às possibilidades e ajuda a estabelecer objetivos realistas de crescimento. No entanto, para conquistá-la é imprescindível ter um bom planejamento financeiro.

Ele consiste na organização, gestão, estabelecimento de metas e definição de estratégias para conquistar objetivos de curto, médio e longo prazo. Com isso, é possível alcançar sucesso financeiro e conseguir os recursos necessários para realizar desejos pessoais e profissionais.

Neste guia, vamos apresentar tudo o que você precisa saber para fazer um planejamento eficiente, controlar os gastos e alcançar o sucesso financeiro. Leia e aproveite!

Qual a importância do planejamento financeiro?

O dinheiro é um fator relevante para o desenvolvimento e obtenção de conquistas em todas as áreas da vida. É muito difícil construir uma trajetória bem-sucedida quando as contas estão desordenadas e não existe estrutura financeira.

A falta de gestão dos rendimentos impossibilita o alcance de objetivos e traz insegurança. Dessa forma, a evolução não acontece, causando frustração, sensação de impotência e, consequentemente, estagnação.

Portanto, ter um planejamento financeiro estruturado e alinhado às suas possibilidades e necessidades, é fundamental para obter estabilidade financeira e conseguir buscar a alta performance pessoal e profissional.

Quais as vantagens do planejamento financeiro?

O planejamento financeiro proporciona diversas vantagens que contribuem para a obtenção de uma vida mais produtiva e equilibrada. A seguir, apresentaremos as principais. Acompanhe!

Consciência da situação financeira

Ganhos e gastos, bem como origens e destinos do dinheiro, são especificadas em um planejamento, o que proporciona um panorama sobre as reais possibilidades financeiras. Com isso, é possível compreender em quais aspectos é necessário controlar as despesas e criar estratégias para aplicar com eficiência os rendimentos.

Contas em dia

O detalhamento das contas e das datas de pagamento, ajuda a quitá-las em dia. Assim, são evitados diversos transtornos e prejuízos, como multas, juros, perda de crédito e, consequentemente, estresse e situações desagradáveis.

Estabilidade

A consciência em relação à situação financeira e as contas em dia evitam gastos descontrolados, imprevistos e incertezas. Desse modo, é possível ter as finanças equilibradas e conquistar estabilidade.

Economia

Além de evitar taxas, multas, juros e cobranças indevidas, o conhecimento sobre o destino do dinheiro permite a identificação de despesas supérfluas, como serviços não utilizados ou aplicações que não trazem retornos relevantes.

O resultado é a economia de valores consideráveis, que podem ser investidos no crescimento pessoal e profissional ou na construção de uma reserva financeira.

Qualidade de vida

O entendimento sobre as possibilidades financeiras evita o estresse de não saber se os rendimentos vão ser suficientes para arcar com os custos de vida. Ademais, permite um planejamento realista e consistente para o futuro. Tudo isso, propicia tranquilidade, bem-estar e, consequentemente, qualidade de vida.

Informações consistentes

Uma boa organização proporciona informações detalhadas e precisas sobre as finanças. Dessa maneira, é possível estabelecer metas alcançáveis e ter clareza ao tomar decisões com efeitos de médio e longo prazo.

Conquista de objetivos

As vantagens do planejamento financeiro, como consciência financeira, estabilidade e economia, ajudam a poupar e conquistar objetivos. Elas auxiliam no emprego inteligente do dinheiro, permitindo a superação de barreiras na vida pessoal e profissional e, com isso, a realização de desejos.

Como realizar um planejamento financeiro?

A elaboração de um planejamento financeiro eficiente é composta de algumas etapas. A seguir, apresentaremos e explicaremos cada uma delas.

Avalie a situação atual

O primeiro passo para realizar um bom planejamento é avaliar a sua situação atual. Para isso, é necessário fazer um mapeamento financeiro, considerando rendimentos, despesas, investimentos, poupança e dívidas. Assim, é possível saber quais serão as ações necessárias para equilibrar as contas e alcançar objetivos.

Organize as finanças

Depois de fazer o mapeamento é preciso organizar as finanças. Se o saldo da avaliação for positivo, registre onde o dinheiro está  poupança, tipo de investimento ou conta-corrente, por exemplo.

Contudo, se for negativo, liste as dívidas por valores, considerando juros e multas, e descubra o valor total. Com essa informação, procure os credores e tente negociar o pagamento de acordo com as suas possibilidades.

Faça um orçamento

Com as finanças organizadas, é possível fazer um orçamento. Ele é fundamental na criação do planejamento financeiro e deve ser elaborado de forma minuciosa. Abaixo mostraremos um passo a passo. Confira!

Crie um controle

Primeiramente, é preciso estabelecer uma forma de controlar o orçamento, como uma planilha ou aplicativo, na qual os rendimentos e os gastos sejam especificados com as datas previstas de entradas e saídas.

Priorize as despesas

Em seguida, priorize as despesas. A classificação pode ser feita separando as despesas essenciais, como moradia, alimentação e saúde, das variáveis, como cinema, jantares e viagens.

No entanto, cada pessoa tem necessidades diferentes e elas precisam ser consideradas no momento de escolher como será a divisão. Para quem está em início de carreira os gastos em educação são necessários e podem ser altos, por exemplo. Se existirem dívidas, ou as despesas forem maiores que os rendimentos, é imprescindível adequar o padrão de vida as possibilidades financeiras. Ou seja, cortar os gastos até que eles sejam menores que os ganhos.

Especifique o destino dos rendimentos

Por fim, faça um orçamento mensal de acordo com os rendimentos e as prioridades. Uma das técnicas que pode ser utilizada para fazer isso é a 50-15-35, que consiste em investir 50% da renda em gastos fundamentais, 15% em questões financeiras, como dívidas e investimentos, e 35% para despesas não essenciais.

Outro método é o dos potes. Criado por T. Hav Eker, propõe a divisão dos rendimentos em seis grupos: necessidades básicas, despesas primordiais, entretenimento, poupança ou investimentos, educação, desejos de consumo de alto valor e caridade, empregando 55% dos ganhos no primeiro grupo, 5% no último e 10% nos outros.

Estabeleça objetivos

Os objetivos são essenciais em um planejamento, pois são responsáveis por dar sentido a sua realização. A seguir, apresentaremos algumas dicas para estabelecê-los.

Saiba o que deseja alcançar

Os objetivos financeiros estão relacionados com a trajetória de vida. Portanto, é essencial fazer uma análise dos desejos pessoais e profissionais, presentes e futuros, para estabelecê-los. Se almeja ser promovido, é provável que seja necessário investir na formação, por exemplo.

Normalmente, existem várias aspirações que envolvem as finanças. Nesses casos, é preciso compreender que para torná-las realidade é necessário priorizá-las e, geralmente, investir em uma de cada vez.

Determine os objetivos

De acordo com o que deseja, defina os meios para alcançar. Se precisa de uma especialização para conquistar um cargo melhor, o objetivo pode ser conseguir juntar o dinheiro para pagá-la, mas se o desejo é sair do vermelho, será pagar as dívidas, por exemplo.

Praticamente todos os objetivos são atingíveis, o que pode torná-los inviáveis é o tempo que vai demorar para conquistá-los. Grandes esforços, como passar anos economizando para comprar algo, podem ser desgastantes. Portanto, é fundamental estar ciente das próprias condições e ser realista.

Defina metas

Para conquistar um objetivo é necessário um conjunto de ações. Por isso, dividi-los em etapas ajuda na elaboração e execução de uma estratégia para alcançá-los.

As metas devem funcionar como uma escada em direção ao objetivo. Dessa forma, elas precisam ser priorizadas e a finalização de uma precisa estar interligada com o início da realização de outra.

Escolha as formas de acompanhamento

Para um planejamento financeiro ser eficiente é preciso que existam indicadores que possibilitem saber se ele está sendo executado da forma correta e está proporcionando os resultados esperados. Assim, é importante estabelecer formas de acompanhamento.

Pode ser o pagamento das contas em dia ou a verificação do cumprimento das metas de economia necessárias para alcançar os objetivos estabelecidos, por exemplo.

Compreenda a necessidade de mudar comportamentos

Em muitos casos, colocar o planejamento em prática depende de mudanças no comportamento. Algumas pessoas são mais flexíveis e conseguem fazer isso com facilidade, mas outras podem ter dificuldades.

O ideal é não fazer alterações drásticas que possam gerar desmotivação. Se forem necessárias grandes transformações, faça elas aos poucos.

Realize os ajustes necessários

Principalmente para os objetivos de longo prazo, é provável que sejam necessários ajustes no planejamento. Quando achar que precisa realizá-los, analise a situação e não deixe de fazê-los. Insistir em um plano inadequado às suas possibilidades e aspirações vai resultar em consequências ruins e frustração.

O que NÃO fazer em um planejamento financeiro?

Existem alguns erros comuns em planejamentos financeiros que atrapalham a elaboração e a realização. A seguir, apresentaremos alguns deles. Continue a leitura!

Deixar de estabelecer objetivos

O planejamento precisa ter uma finalidade. Isso é importante para conseguir mantê-lo. Assim, é imprescindível que existam objetivos. Eles podem ser básicos, como pagar as dívidas ou manter as contas em dia. Porém, são mais estimulantes quando mudam ao longo do tempo e proporcionam a evolução e a conquista de desejos pessoais e profissionais.

Esquecer da reserva de emergência

Imprevistos podem acontecer a qualquer momento, como problemas de saúde ou perda do trabalho. Por isso, é essencial ter uma reserva de emergência para conseguir superar situações inesperadas com mais tranquilidade.

Caso a reserva não exista, ela deve ser um dos principais objetivos. O ideal é que o dinheiro guardado seja o suficiente para manter o padrão de vida por, no mínimo, seis meses.

Ter gastos variáveis sem limites

Os gastos considerados variáveis, como viagens, cinema e jantares, são amplos e geram descontrole com facilidade. Por esse motivo, eles precisam ser limitados. Isso pode ser feito estabelecendo uma porcentagem máxima dos rendimentos mensais ou um valor fixo para essa finalidade.

Contar com ganhos incertos

Trabalhos esporádicos e rendimentos incertos dos investimentos não devem ser considerados como os ganhos fixos. Caso eles não aconteçam, certamente vão existir problemas no planejamento.

Ignorar os indicadores de desempenho

Acompanhar o andamento do planejamento é fundamental para saber se as ações estão sendo realizadas corretamente. Sendo assim, é preciso estabelecer critérios de acompanhamento e verificar o desempenho com frequência.

Como controlar os gastos?

Para o planejamento ter êxito, e os objetivos estipulados serem conquistados, é preciso adotar atitudes e práticas que contribuam para o controle dos gastos. A seguir, apresentaremos algumas delas. Confira!

Viva de acordo com os seus rendimentos

O valor dos gastos precisa ser menor que o dos rendimentos mensais. Parece óbvio, mas muitas pessoas têm um padrão de vida que não podem sustentar. O resultado são dívidas, perda de crédito e preocupação constante.

Os custos de manutenção dos bens materiais, como casa e carro, os locais frequentados, as viagens realizadas e os itens utilizados, por exemplo, precisam estar de acordo com os ganhos. Caso contrário, será impossível elaborar um bom planejamento e melhorar as finanças.

Anote todos os gastos

É uma tarefa que pode ser cansativa, mas é extremamente necessária. A soma dos pequenos gastos do dia a dia tem grande impacto no orçamento. O controle minucioso permite saber em quais finalidades o dinheiro está sendo empregado, o que ajuda a identificar hábitos prejudiciais para a saúde financeira.

Para facilitar esse processo podem ser usados aplicativos para computadores e smartphones. Existem diversos tipos no mercado, gratuitos e pagos, que têm funcionalidades que simplificam a gestão diária do dinheiro.

Compare preços

Muitas vezes, por falta de tempo, preguiça ou desinformação, as pessoas acabam pagando mais caro nas compras e deixam de economizar valores significativos para o orçamento.

Os preços dos produtos podem variar muito de acordo com o local de venda e com a Internet é possível compará-los em alguns minutos. Se conseguir economizar 10% na maioria das compras, são 10% a mais para investir nos seus objetivos, por exemplo.

Pense bem antes de comprar

Você realmente precisa de tudo o que consome? As compras por impulso podem atrapalhar a organização e afastar as conquistas. Por isso, antes de comprar algo, avalie se a utilidade ou o prazer que elas vão proporcionar compensa o investimento.

Com frequência adquirimos coisas que são usadas uma única vez ou poderiam ser substituídas por outras mais baratas.

Pague à vista quando for vantajoso

Vários locais oferecem descontos para pagamentos à vista. Essas são excelentes oportunidades de economizar. Assim, fique atento às possibilidades e sempre que for benéfico pague à vista.

Utilize o cartão de crédito de forma inteligente

Os cartões de crédito são vistos como inimigos das finanças, mas o problema está em utilizá-lo da forma errada. Quando usado de forma inteligente, ele proporciona diversos benefícios, como milhas, que podem ser transformadas em viagens, e parcelamentos sem juros.

Além disso, existem estabelecimentos que oferecem privilégios para alguns cartões, como descontos em cinemas e outros eventos. Portanto, é importante avaliar os custos do cartão e os gastos mais recorrentes para saber se é vantajoso fazer uso deles.

Como alcançar o sucesso financeiro?

Além de um bom planejamento, o sucesso financeiro depende de condutas e ações que contribuam para a sua conquista. A seguir apresentaremos algumas atitudes essenciais para alcançá-lo. Acompanhe!

Busque autoconhecimento

Assim como em todas as áreas da vida, o autoconhecimento é a base para o sucesso financeiro. As pessoas se relacionam de formas diferentes com o dinheiro. Para algumas, a importância deles está ligada a alegria e o conforto imediato, e para outras é uma forma de motivação, por exemplo.

Por isso, para realizar um planejamento eficiente e controlar os gastos é fundamental entender como você se envolve com o dinheiro. Dessa forma, é possível descobrir gatilhos de descontrole e criar objetivos que estejam alinhados com valores e propósitos.

Supere crenças limitantes

A evolução financeira muitas vezes é impedida por crenças limitantes. Elas são falsas convicções que adquirimos ao longo da vida por influência do meio social, da família ou das experiências pessoais.

Por exemplo, algumas pessoas acreditam que é impossível ter uma condição de vida melhor que a dos pais, ou que apenas os ricos devem controlar as finanças. Esses conceitos impedem ter uma boa percepção sobre a realidade e geram barreiras que precisam ser superadas para o desenvolvimento de uma relação saudável e produtiva com o dinheiro.

Saia da zona de conforto

Principalmente para as pessoas que estão acostumadas a lidar com o dinheiro de forma automática, sem um controle consciente, estabelecer objetivos financeiros e realizar ações para conquistá-los pode exigir muitas mudanças no comportamento e nos padrões de vida. Assim, é essencial dispor-se a sair da zona de conforto e a realizar ações que contribuam para o sucesso.

Aprenda constantemente

Independentemente do estado das suas finanças e dos seus objetivos, é preciso buscar informações, desenvolver habilidades e aprender constantemente sobre as melhores formas de controlar e investir o dinheiro. Obter conhecimentos ajuda a administrar os rendimentos com eficiência e estar atualizado sobre as mudanças na economia.

Entenda a importância da disciplina

Não adianta fazer um planejamento excelente se as ações não forem realizadas conforme o programado. Por esse motivo, a disciplina é indispensável para o êxito financeiro. Sem ela, não existe foco nos objetivos, as metas não são cumpridas e o plano perde o seu propósito, resultando em desmotivação, sensação de incapacidade e frustração.

Assuma riscos calculados

Os riscos fazem parte do crescimento financeiro. Principalmente, as pessoas que já estão com as finanças estabilizadas e tem dinheiro para investir tem que assumi-los para conseguir aumentar os seus ganhos. No entanto, para que tragam resultados positivos, precisam ser calculados de forma estratégica para ajudar na conquista de objetivos e não causarem prejuízos.

Desenvolva a inteligência emocional

A parte emocional e psicológica é decisiva para o êxito financeiro. Quando emoções, como o medo, não são identificadas e controladas é muito difícil conseguir ter motivação e criar um mindset vencedor, ou seja, programar a mente para pensar de forma construtiva. Portanto, é fundamental desenvolver esse tipo de inteligência para definir objetivos e alcançar o sucesso nas finanças.

Sempre tenha objetivos

Como já dissemos, os objetivos são essenciais para a manutenção da motivação e, consequentemente, para o sucesso financeiro. Não importa a situação, eles precisam existir. Inclusive eles podem ser essenciais, como manter as contas em dia, ou mais complexos, como comprar a casa dos sonhos.

Enquanto o foco estiver em conquistá-los existirá algum tipo de aprendizado ou crescimento.

Seja resiliente

A trajetória em direção ao sucesso financeiro pode ser longa e cheia de desafios. Por isso, é imprescindível aprender a lidar com a pressão e ter resiliência para conseguir ultrapassar os obstáculos e continuar focado nos objetivos estipulados.

Invista

Investir é essencial para quem tem algum dinheiro sobrando e deseja multiplicá-lo. Entretanto, é importante fazer isso de forma consciente. Para isso, busque conhecimentos na área e realize aplicações de acordo com a sua tolerância a riscos. Além disso, procurar ajuda especializada também pode ser vantajoso.

Conte com a ajuda de um coach financeiro

O coach financeiro é um guia em direção ao sucesso. Ele tem conhecimentos sobre técnicas, ferramentas e práticas que auxiliam em todas as etapas do desenvolvimento, como organização, definição de objetivos e criação de estratégias.

Apresentaremos abaixo alguns dos benefícios de contar com a ajuda desse profissional.

Obtenção de autoconhecimento financeiro

Em um processo de coaching, o desenvolvimento do autoconhecimento acontece com mais rapidez, segurança e eficiência. Dessa forma, é possível obter com mais facilidade consciência financeira e entendimento sobre padrões de consumo, assim como identificar crenças limitantes.

Criação de um planejamento eficaz

Com o auxílio de um coach a elaboração do planejamento financeiro ocorre de forma fundamentada. A definição dos objetivos, bem como as estratégias para alcançá-los são estabelecidas de acordo com características pessoais e particularidades do estilo de vida, tornando o plano relevante e motivador.

Crescimento financeiro

O coaching proporciona conhecimentos sobre finanças que ajudam a aumentar o patrimônio de forma segura e alinhada com pretensões pessoais e profissionais. Nas sessões, é possível investigar várias questões, como o nível de tolerância a riscos, que auxiliam na descoberta das melhores formas de economizar e investir o dinheiro.

O planejamento financeiro é essencial para quem deseja evoluir, tanto na vida pessoal quanto na profissional. Ele fornece o suporte necessário para ter tranquilidade e crescer de acordo com as suas possibilidades. Contudo, para que ele seja eficiente, é preciso estabelecer objetivos motivadores, considerar os rendimentos e alinhá-lo com as particularidades do seu estilo de vida.

Gostou deste guia completo sobre planejamento financeiro? Assine a nossa newsletter e receba outros conteúdos incríveis que vão ajudá-lo a conquistar o sucesso pessoal e profissional!